Para contar sobre a sua trajetória na Grendene, Airton Sato, Gerente de Design da nossa marca Cartago, retornou mais de 24 anos no tempo. Afinal, ele está com a gente desde 1994!

Ao falar sobre as melhores lembranças desta história, relata que, após formar-se em Design Industrial, saiu do Paraná, onde nasceu e estudou, para realizar um intercâmbio acadêmico e um estágio no Japão, país no qual ficou por quase um ano. Foi um mês depois do seu retorno ao Brasil que veio o convite para uma entrevista na Grendene, em Farroupilha. Chegou na empresa em uma sexta-feira como candidato a uma oportunidade e poucos dias depois estava de volta, já como funcionário. O projeto inicial, que era ficar na Grendene por dois ou três anos, transformou-se em uma sólida relação profissional, em um encontro de propósitos, em respeito e admiração mútua.


Sato atribui a longevidade dessa relação ao fato da Grendene, assim como ele, valorizar o design que tem como essência a criação de novas possibilidades e novas emoções, o desenvolvimento de relações, do cuidado com o outro, de transformação na vida das pessoas.

Ao conversar com ele, é nítido que mantém o mesmo encantamento de quando chegou aqui. A energia com que fala dos projetos desenvolvidos, de poder estar na fábrica acompanhando a transformação de uma ideia em um calçado, é contagiante. A emoção que embarga a voz quando conta sobre a possibilidade de fazer parte da vida de milhares de pessoas, em praticamente todos os lugares do mundo, faz com que o seu interlocutor queira ouvir mais e mais. A intensidade com que discorre sobre a grandiosidade de oportunidades que a Grendene representa é repleta de muito entusiasmo.

Este entusiasmo é potencializado quando ele direciona a sua narrativa para a área de Design da Grendene: um ambiente “construído sob a cultura da colaboração e da confiança, com foco no desenvolvimento das pessoas para os constantes desafios e transformações das relações humanas, gerando valor para o mercado consumidor através do talento da equipe”.

Além de um profissional ímpar, visivelmente apaixonado pelo que faz e pelas pessoas com quem trabalha, Sato é tio coruja de seus dois sobrinhos, Lucas e Mateus, e mantém, mesmo com a distância física, um sólido vínculo familiar. Nas principais datas comemorativas, o Paraná é o seu destino e as conversas em japonês com a sua avó materna um dos seus programas preferidos.

Ao se deparar com a pergunta do que diria para alguém que está pensando em fazer parte da Grendene, ele abre um grande sorriso e a resposta vem rápido: "Quer aprender? Quer vivenciar novas possibilidades? Quer se divertir? Então vem pra cá! 
A Grendene é um hub com o mundo. Somos uma empresa global e não é qualquer lugar que oferece essa experiência” .
E o mais fascinante de tudo isso, complementa Sato, é que “aqui não há professores, somos todos eternos aprendizes”, e esta é a graça da vida, pois estamos em “eterna transição”.