Luciano buscou no esporte ainda mais disposição para liderar


Há pouco mais de um ano, Luciano Mantovani, 37 anos, gaúcho da pequena cidade de Tapera (RS), incluiu a atividade física em sua rotina – das pedaladas à corrida, a mudança de hábito reflete na qualidade de vida e na disposição com que ele gerencia os mais de dois mil funcionários da nossa unidade de Crato (CE).

Filho mais jovem de um casal de agricultores, Mantovani – como é conhecido na Grendene – saiu de casa aos onze anos para estudar em um colégio agrícola. Esse foi o primeiro passo para ele literalmente ganhar o mundo. Quando concluiu o ensino médio, encontrou na oportunidade de vender livros de porta em porta a possibilidade de construir carreira longe do campo. Foi vendendo livros que ele chegou a Farroupilha (RS), em maio de 2000.

Na medida em que a internet se popularizou, o interesse pela compra de livros diminuiu, o que obrigou Mantovani a ir em busca de outras alternativas de trabalho. Acostumado a conviver com remuneração instável, encontrou na Grendene salário fixo e a realização do sonho de ter um crachá para registrar o ponto. Foi aí, em setembro de 2000, que ele iniciava uma trajetória de sucesso na empresa.

Em dois meses trabalhando como Ajudante de Produção na unidade de Farroupilha, recebeu o convite para mudar-se para Sobral (CE), para atuar como Líder Técnico de Produção, a assim fez a sua primeira viagem de avião. Na cabeça uma única certeza: trabalhar para ser o melhor Líder Técnico da Grendene.

Em dois anos, assumiu a função de Supervisor de uma das fábricas da unidade. Cinco anos depois, em 2009, movido pelo constante desejo de aprender, mudou-se com a esposa a primeira filha rumo a mais um desafio – assumir a coordenação de produção da unidade de Crato (CE). Foi em 2012, mesmo ano em que nasceu sua caçula, que ele passou a atuar como Gerente de Produção da unidade, função que ocupa até hoje.

Ao ser questionado sobre a sua caminhada de 17 anos na empresa, Mantovani sente-se privilegiado pela história que construiu e pelo que conquistou, por ter saído de casa cedo, mas não ter decepcionado sua gente – reconhece, com muita humildade, que se chegou até aqui é pelo grande legado que recebeu de seus pais.

Esse gaúcho de nascimento e cearense de coração, tem na Grendene a sua segunda família e confessa sentir orgulho por ser um dos muitos exemplos do quanto a Grendene oferece oportunidades de desenvolvimento e crescimento.